30 de julho de 2010

Poros em letras

A pele é um poema com cheiro.

Arquivo


A música é retorno.
É a saudade de greve.

Ensolarando-me



E por sentí-lo tão intenso, enquanto planto, penso:
 é poesia tomando sol.


29 de julho de 2010

Recomeçar

Em cima do muro
indiferente aos cacos de vidro
alcança o telhado tentando fugir.
Urgência sem rumo
da afeição em fuga
mudança do que precisa partir.

Partida

28 de julho de 2010

Nascendo poesia

Para o amigo Jacson Faller

O amor e a luz
foram materializados
quando óvulo e espermatozóide
foram aninhados.
E lá dentro,
ele esperou bem quietinho
e no dia 15 de julho
mostrou enfim seu rostinho.
E na vigília de beleza
dos hinos entoados no Céu
hoje respira em tuas mãos
o teu anjo Rafael.


Que você seja babado
pela poesia-sorriso
que sairá da boca
 do teu filho.

27 de julho de 2010

Corporificando

A poesia não sai da gente, ela entra.

... E fica.

24 de julho de 2010

Plácido

Quando entrei, era inércia.
Por intuição, em uma cadeira intitulada paciência:
 eu esperei.
Havia muita reserva e com isso pouca conversa.
Percebi desde então,
o prazer subjetivo do silêncio e da confissão.
Tenho uma alma inquieta,
que não permite que eu me prenda,
 ou me perca.
  Dizeres fotográficos são registrados na vidraça do meu corpo,
onde para cada pelo,
 há um arrepio de desejo voraz.
No movimento oscilante de ir para voltar,
eu fico.
Sou flauta tocando convívio doce. 
Permaneço na escrita,
deixando em algum lugar -  não sei onde,
 tudo o que foi fragmentado.
E quanto a ti,
 percebo que há algo de érotico na inteligência,
 pois ela é,
despudoradamente atraente.
Traduzindo minha intenção em palavras,
 eu digo:
queria que ao ler o que escrevo, 
você se sentisse poesia.

23 de julho de 2010

Inóspito


Como uma réstia de calor
pouso na escrita
e repouso.

Falta oxigênio
na dor
e falta assunto.

O palpável
que foge
sobrando-me os dedos.

O reboco da memória
cai por terra
impertubável.

E com efeitos
nem um pouco especiais
feneço.

Intencionalidade




A vida
ca
      den
               te
é  risonha

e faz
 pedido de florir.

22 de julho de 2010

Urge o risco

Eu estava. Era-me inverossímil negar.
E sem temer os contrastes
Fiz um ninho
 E desse perene exílio
Não sei...
Se ainda vou
Voltar

21 de julho de 2010

Hoje sinto-me assim...


..Agora é de novo madrugada.


Mas ao amanhecer eu penso que nós somos os contemporâneos do dia seguinte.


Que o Deus me ajude: estou perdida.


Preciso terrivelmente de você.


Nós temos que ser dois para que o trigo fique alto.


Estou tão grave que vou parar _


Nasci há alguns instantes e estou ofuscada


Os cristais tilintam e faíscam


O trigo está maduro: o pão é repartido


Mas repartido com doçura? É importante saber


Não penso, assim como o diamante não pensa


Brilho toda límpida


Não tenho fome nem sede: sou


Tenho dois olhos que estão abertos


Para o nada


Para o teto


Vou fazer um adágio


Leia devagar e com paz


É um largo afresco.


Nascer é assim:


Os girassóis lentamente viram suas corolas para o sol


O trigo está maduro


O pão é com doçura que se come


Meu impulso se liga ao das raízes das árvores...


(Clarice Lispector)

19 de julho de 2010

Não desista!

1,2,3, JÁ!
PRONTO, ME PROCURE ATÉ ACHAR.

[Risos...]

17 de julho de 2010

Combustão Emocional

Uma carta
escrita e dobrada
de dentro da boca, pra fora.   
Um violão
violando o silêncio, vago
das incertezas que eu acho ter.
Pedrinhas
atiradas na janela
fazem o BEM fugir, com o QUERER.

Indecorosamente suave.


Uma das mais deliciosas manifestações de amor é a falta de respeito.
Mário Quintana

Abrangência


Tu-poesia / Eu-ventania
Calo e ouço
Teu esboço entalhado em papéis
Digitais deixadas na boca
Tocando línguas
Excessos e mínguas
 Colocando-me
Na ponta dos pés.

13 de julho de 2010

Eu preciso.

Talvez eu seja apenas uma criança
tentando encaixar
a alma
no sono
para andar
 por aí
sem tropeçar.

11 de julho de 2010

Não quero mais te ver



Fiquei cheia
a lixeira também.
Escrevi motivos
mais de cem.
Não importa,
o fim é melhor
no improviso.
E pra depois,
marquei dentista
e analista
um dos dois,
há de me arrancar
um sorriso.

À flor da pele

Aqui
há um clima
uma rima
à flor de si mesma

Atrevimentos
e paixão
tocam arrepios
à mão.

10 de julho de 2010

Aniversário em dobro.

10 anos atrás recebi um PRESENTE DE DEUS...
Chamei-lhe ...RAFAEL,
Chegou em meu aniversário,
num dia chuvoso, mas
ensolarou a minha vida para sempre.
Desde então, 10 de julho deixou de ser meu dia
e passou a ser o nosso dia!
Se aniversário é bom,
em dobro
é ainda melhor!


Beijos a ti e parabéns a nós
 filho amado.

9 de julho de 2010

Tentação


Envolvendo-me
para me
devolver...
A leitura
tenta-me
por prazer.

Um xícara e mais...

O que há além do grão?

E os grilos da consciência,
fazem dentro de mim
seus discursos...
Fabricando letras não domesticadas
e vórtices,
que movimentam
meu desejo
de mais roupas rasgadas por ti.
Nos canteiros da pele,
uma vaidade irrefreável
dos teus poros...
Uma alvenaria,
de redenção contruída
pela intenção tácita
de coar
vontades. 
Intenção servida quente.

"Esnobar
É exigir café fervendo
E deixar esfriar"
[risos]

7 de julho de 2010

Resgate


"O verdadeiro lugar de nascimento
é aquele em que
 lançamos pela primeira vez
um olhar inteligente sobre nós mesmos."

Perseverança


E o desafio
                           Afia
                                                                  Minha coragem.

Vírus

O virus do amor, dentro da gente,
beira o caos
42 graus,
de febre contente.

[Rita Lee e Roberto de Carvalho]

O que ouço...


...Se você ouvisse as vozes que ouço à noite

acharia tudo o que eu faço natural...


Humberto Gessinger

6 de julho de 2010

7 anos de Arthur

Há um recreio de sorrisos aqui
Um corre-corre de alegria enrroscada
Porque ELE é assim!
Uma criança que vem e fica em nós
Com sua gargalhada dobrada. 
Adora brigadeiros e tartaruga
Dançarino cheio de animação 
ELE é :
O carinho que nunca tira férias
É a caixa de música do meu coração.
Hoje aqui...
É só felicidade. E é muito.
ARTHUR é uma alegria que salta
Fora e dentro sem fim
É minha luz
É luz em mim.

:)
Parabéns meu filho!
Você é o anjo que me guarda.

Sílabas de vozes


Folheio em mim intenções.
Imagens com sede, que me contam inteira.
Intervalos cálidos,
de uma respiração que me estia do tédio.
Desconhecendo-me,
saio do cárcere de angústia pérfida
ao qual me habituei.
Tudo é tanto...
Numa atenção quase analítica,
leio emoções,
 aquém do saguão. 
Sou febre liberta do corpo.
Armo fogueira dos gravetos que sobraram,
se calhar,
eu acendo.
Há uma intersecção de linhas
fora e dentro de mim.
Endereços plenos de fogo e cinza,
onde retoco a alma
ávida
por olhos
que a leiam sem pontuações.