24 de janeiro de 2012

Sem mais para o momento.

Conto

E com àquela boca, contou uma história de amor.

- Era pra dormir?

23 de janeiro de 2012

E assim é...

(...) Morte cotidiana é boa porque além de ser uma pausa
não tem aquela ansiedade para entrar em cena
É uma espécie de venda.
Uma espécie de encomenda que a gente faz
pra ter depois ter um produto com maior resistência
onde a gente se recolhe (e quem não assume nega)
e fica feito a justiça: cega
Depois acorda bela
corta os cabelos
muda a maquiagem
reinventa modelos
reencontra os amigos que fazem a velha e merecida
pergunta ao teu eu: 'Onde cê tava? Tava sumida, morreu?'
E a gente com aquela cara de fantasma moderno,
de expersona falida:
- Não, tava só deprimida.



Elisa Lucinda - No Elevador do Filho de Deus. In O Semelhante, p. 205

21 de janeiro de 2012

Mente e coração.

Penso em você até nos dias ainda não anunciados no calendário.

13 de janeiro de 2012

Contos de fadas.

Os contos de fadas não foram escritos para nos dizer que o amor existe.
A gente já sabe que ele existe.
Os contos de fadas foram escritos para nos mostrar que ele pode ter um final feliz.
 

12 de janeiro de 2012

Amar é quase voar.


Drummond disse que a vida necessita de pausas.
Mas há coisas que eu acho que precisam mesmo é de asas.

11 de janeiro de 2012

Entrelaços em nós.

Sem nó
Um só
Dois nós
Nós dois
Entrelaçados
Laços com pernas
Abraço em laço
Aperto de perto
Presente hoje
Passado amanhã
Futuro sempre.
Coisas de quem sente.

2 de janeiro de 2012

Descubra-me lentamente.



"Em mim há uma infinidade de recortes, mas não sou arte que deve ser apreciada com pressa. Sou feita de detalhes antigos que carecem de contextualizações. Quem quiser que venha, mas antes se informe. Sou igual aos museus. Tenho horário para fechar."